Como Jesus, Aproximar-se de Quem Sofre com Compaixão e Inclusão

O Papa recebeu os participantes da plenária da Pontifícia Comissão Bíblica. A propósito do tema abordado pelos participantes A doença e o sofrimento na Bíblia, Francisco sublinhou que “a dor e a enfermidade, à luz da fé, podem se tornar fatores decisivos num percurso de amadurecimento”.

O Papa Francisco encontrou-se com os participantes da plenária da Pontifícia Comissão Bíblica, na manhã desta quinta-feira (11/04), na Sala do Consistório, no Vaticano.

Em seu discurso, Francisco citou o tema abordado pelos participantes durante a plenária, um tema “fortemente existencial”: A doença e o sofrimento na Bíblia. De acordo com o Pontífice, “o sofrimento e a doença são adversários a serem enfrentados, mas é importante fazê-lo de maneira digna do homem, de maneira humana”.

Segundo o Papa, “removê-los, reduzindo-os a tabus dos quais é melhor não falar, talvez porque prejudicam aquela imagem de eficiência a todo custo, útil para vender e ganhar, certamente não é uma solução. Todos vacilamos sob o peso destas experiências e devemos nos ajudar a superá-las, vivendo-as em relação, sem nos fecharmos em nós mesmos e sem que a rebelião legítima se transforme em isolamento, abandono ou desespero”.

“Sabemos, também pelo testemunho de muitos irmãos e irmãs, que a dor e a enfermidade, à luz da fé, podem se tornar fatores decisivos num percurso de amadurecimento: o “crivo do sofrimento” de fato permite discernir o que é essencial do que não é”, disse ainda Francisco.

Segundo o Papa, “é o exemplo de Jesus que mostra o caminho”, pois “ele nos exorta a cuidar de quem vive em situações de enfermidade, com a determinação de vencer a doença; ao mesmo tempo, Ele nos convida a unir os nossos sofrimentos à sua oferta salvífica, como uma semente que dá fruto”. A seguir, o Papa propôs duas palavras decisivas: compaixão e inclusão.

A compaixão indica a atitude recorrente e característica do Senhor em relação às pessoas frágeis e necessitadas que Ele encontra. Essa compaixão se manifesta como proximidade e leva Jesus a se identificar com os sofredores: “Eu estava doente, e cuidaram de mim”. Compaixão que leva à proximidade.

De acordo com o Pontífice, “tudo isso revela um aspecto importante: Jesus não explica o sofrimento, mas se inclina para com os que sofrem. Ele não aborda a dor com incentivos genéricos e consolações estéreis, mas acolhe o drama da dor, deixando-se tocar por ele. A Sagrada Escritura é iluminadora nesse sentido: não é um manual de boas palavras ou um livro de receitas de sentimentos, mas nos mostra rostos, encontros, histórias concretas. A resposta de Jesus é vital, é feita de compaixão que assume e que, ao assumir, salva o homem e transfigura sua dor”.

A segunda palavra, inclusão, “expressa bem uma característica saliente do estilo de Jesus: sua ida em busca do pecador, do perdido, do marginalizado, do estigmatizado, para que sejam acolhidos na casa do Pai. Pensemos nos leprosos: para Jesus ninguém deve ser excluído da salvação de Deus”. Segundo o Papa, “a inclusão também abrange outro aspecto: o Senhor deseja que a pessoa inteira seja curada, espírito, alma e corpo. Na verdade, uma cura física do mal seria de pouca utilidade sem uma cura do pecado no coração”.

De acordo com Francisco, “esta perspectiva de inclusão nos leva a atitudes de partilha: Cristo, que andava entre as pessoas fazendo o bem e curando os doentes, ordenou a seus discípulos que cuidassem dos doentes e os abençoassem em seu nome, partilhando com eles sua missão de consolação”.

Portanto, por meio da experiência do sofrimento e da doença, nós, como Igreja, somos chamados a caminhar junto com todos, em solidariedade cristã e humana, abrindo oportunidades de diálogo e esperança em nome da fragilidade comum.

A parábola do Bom Samaritano “as iniciativas com que se pode refazer uma comunidade a partir de homens e mulheres que assumem como própria a fragilidade dos outros, não deixam constituir-se uma sociedade de exclusão, mas fazem-se próximos, levantam e reabilitam o caído, para que o bem seja comum a todos”, concluiu o Papa citando um trecho de sua Encíclica Fratelli tutti.

Fonte: www.news.va (Official Vatican Network)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *