Francisco em Veneza, a Giudecca e a arte que liberta

A primeira etapa da visita do Papa em 28 de abril será a casa de detenção feminina que abriga 80 mulheres com condenações definitivas. Não apenas um local de reabilitação, mas também a sede do Pavilhão da Santa Sé intitulado “Com os meus olhos”. Grande emoção entre as detentas pela chegada do Papa. – Benedetta Capelli – Veneza

O próximo domingo, 28 de abril, será o dia das primeiras vezes. A primeira vez do Papa Francisco em Veneza, de um Pontífice visitando a Bienal da Arte, de detentas que o verão pela primeira vez em suas vidas. Mulheres com condenações definitivas que, na Giudecca, encontraram uma maneira de juntar os pedaços de suas vidas: algumas começaram a costurar, trabalhar na lavanderia, especializar-se em cosméticos. Algumas delas criaram uma relação de confiança com os artistas que animam o pavilhão da Santa Sé intitulado “Com os meus olhos”. Elas foram ouvidas, seus pensamentos foram valorizados e confiaram suas fotos mais queridas às mãos daqueles que as transformaram em pinturas.

Bregoli, diretora Giudecca: “o Papa não se esquece de ninguém”

Há um fermento entre as detentas para a chegada de Francisco e também “uma grande emoção”, diz a dra. Mariagrazia Bregoli, diretora da prisão feminina Giudecca, “porque a mensagem que o Papa quer nos trazer é uma mensagem universal, de amor, de acolhimento, de ausência de julgamento e de respeito de quem observa sem julgar”. Na vida”, acrescenta, ‘cometemos erros, mas podemos corrigi-los, e o Santo Padre não se esquece de ninguém, e talvez seja bom que a sociedade também não se esqueça daqueles que cometeram erros’. A diretora Bregoli enfatiza a importância de considerar a prisão como parte da sociedade: “muitas vezes as pessoas não querem saber ou ver, mas existe e é um dado de fato. É um lugar que olha para fora e está fortemente comprometido com a reintegração das pessoas presas. A participação no Pavilhão da Santa Sé também contribui para essa veia de abertura, em um diálogo inegável entre o interior e o exterior.

Russo, diretor do DAP: “o Papa ditou o título desta exposição”

“Foi uma escolha importante, quase uma provocação à administração da justiça, em particular à administração penitenciária que lida com o sofrimento, que lida com a marginalização”, diz o dr. Giovanni Russo, chefe do Departamento de Administração Penitenciária (DAP), contando a gênese do projeto do pavilhão da Santa Sé. “O convite do Papa Francisco é para abrir uma janela, pelo menos para a esperança, e nós não recuamos.” O dr. Russo fala de “uma proposta poderosa em que a beleza da arte, a beleza da crença, da religião, e a beleza da recuperação de um infrator, de alguém que errou e foi condenado, mas que merece uma nova chance e o Estado deve agir nesse sentido”. Foi exatamente a beleza do projeto, acrescenta o chefe do DAP, que levou o Papa a vir. “Isso o intrigou, e ele quase ditou o título: “Com meus olhos”, que significa uma profunda humanização da vida de todos, cada um de nós é um indivíduo cujo direito de expressar um pensamento, de interpretar a realidade deve ser reconhecido. Esse é o mandato constitucional: os detentos não perdem seus direitos, os detentos na prisão são privados de sua liberdade, mas seus direitos devem ser reconhecidos, e acho que isso também vai ao encontro do pensamento e da palavra do Papa Francisco.

Manuela, a guia das detentas

Detentas que se tornaram colaboradoras dos artistas e detentas que se propuseram a acompanhar os visitantes do Pavilhão. Entre elas está Manuela, que daqui a um ano deixará a Giudecca. “Sinto-me muito honrada por poder participar desse trabalho que durará até novembro de 2024”, diz ela. “Muitas de nós já desempenhamos diferentes papéis, algumas escreveram, outras fizeram outros trabalhos, me perguntaram se eu queria ser guia e, como sempre falo, com o apoio de minhas companheiras – somos dez – aceitamos de bom grado. Estávamos com muito medo, porém, e também muito hesitantes, porque não é fácil entrar em contato com pessoas novas. Foi muito bom, muito construtivo e o será ainda”. Entre as obras em exposição, há também uma pintura, resultado da reinterpretação da artista Claire Tabouret, na qual a criança Manuela dá seus primeiros passos em direção à mãe, algo que a emociona muito. Enquanto aguarda a visita do Papa, que deixa todas as internas muito emocionadas, Manuela diz que sua experiência na Giudecca mudou sua vida e sua perspectiva sobre as coisas. “Estou redescobrindo os lados positivos, muito bonitos, muito instrutivos, muito construtivos e espero poder levá-los para fora e transmiti-los aos meus filhos e netos”. Felizmente, Manuela espera ansiosamente pelo amanhã, um amanhã que ela começou a construir primeiramente a partir de si mesma, aproveitando as oportunidades concedidas precisamente dentro dos altos muros da prisão.

Clique no áudio acima e escute a transmissão desta notícia feita pela Rádio Vaticano em língua portuguesa.

Fonte: www.news.va (Official Vatican Network)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *