Não se Pode Acreditar em Deus e Ser Mafioso

Papa: não se pode acreditar em Deus e ser mafioso O Papa retornou à Sicília nos 25 anos da morte do padre Pino Puglisi, assassinado pela máfia em 1993. Em sua homilia, o Papa fez uma dura advertência aos mafiosos: caso não se converterem ao Deus verdadeiro de Jesus Cristo," sua vida será perdida e será a pior das derrotas”. – Jackson Erpen – Cidade do Vaticano “Não se pode acreditar em Deus e ser mafiosos. Quem é mafioso não vive como cristão, porque blasfema com a vida contra o nome de Deus-amor”, e hoje “temos necessidade de homens de amor, não de homens de honra”. Na homilia da Missa celebrada no final da manhã deste sábado no Foro Itálico, Continue Lendo →

A Cruz nos Ensina a não Temer as Derrotas, Pois com ela Temos a Vitória

Papa: a cruz nos ensina a não temer as derrotas, pois com ela temos a vitória Na Festa da Exaltação da Santa Cruz, o Papa Francisco dedicou a homilia matutina à contemplação do fracasso, mas também da exaltação de Jesus, que "assumiu todo o pecado do mundo". Satanás está acorrentado, mas ainda late e se nos aproximarmos dele, nos destruirá. – Alessandro Di Bussolo – Cidade do Vaticano A Cruz de Jesus nos ensina que na vida existe o fracasso e a vitória, e que não devemos temer os “momentos maus”, que podem ser iluminados justamente pela cruz, sinal da vitória de Deus sobre o mal. Um mal, satanás, que está destruído e acorrentado, mas “ainda late” e se você Continue Lendo →

A Fé é Nossa Vitória. Longe de Deus Somos Derrotados”

Papa: "A fé é nossa vitória. Longe de Deus somos derrotados" Cidade do Vaticano (RV) – Nesta quinta-feira (14/01), o Papa celebrou a missa matutina na Casa Santa Marta e começou a homilia inspirando-se no trecho do Livro de Samuel que narra a derrota do Povo de Deus, vencido pelos filisteus: É um massacre enorme, o povo perde tudo, inclusive a dignidade. “O que levou a esta derrota?”, perguntou o Papa, respondendo: o povo “lentamente havia se afastado do Senhor e vivia de modo mundano, com os ídolos que possuía”. Iam ao Santuário de Silo, mas “como se fosse um costume cultural: haviam perdido a relação filial com Deus. Não adoravam Deus! E o Senhor os deixou sozinhos”. O povo Continue Lendo →