Qual o Significado da Oitava Pascal?

Qual o significado da Oitava Pascal? Pe. Luiz Camilo Junior, C.Ss.R., 17 de Abril de 2017 Com a celebração da Ressurreição do Senhor, na Vigília do Sábado Santo, entramos no Tempo Pascal, formado por sete semanas até a Solenidade de Pentecostes. Este tempo é marcado pela alegria da vida nova que recebemos de Cristo. É o tempo litúrgico mais forte do ano, pois é a passagem da morte para a Vida. Durante o Tempo Pascal, em todas as celebrações litúrgicas, o Círio Pascal permanece aceso, pois ele representa o Cristo Ressuscitado que ilumina nossa vida, que dissipa as trevas da morte e faz resplandecer em todos nós a luz de Deus. O Círio é como essa grande coluna luminosa que Continue Lendo →

V Pregação da Quaresma

V Pregação da Quaresma – Texto integral Cidade do Vaticano (RV) – “Manifestou-se a Justiça de Deus” – Como fazer do V centenário da Reforma protestante uma ocasião de graça e de reconciliação para toda a Igreja, foi o tema da V e última pregação da Quaresma do Frei Raniero Cantalamessa ofmcap para o Papa e a Cúria. Confira a íntegra de pregação: As origens da Reforma protestante O Espírito Santo que – vimos nas meditações anteriores – nos insere na plena verdade da pessoa de Cristo e no seu mistério pascal, nos ilumina também sobre um aspecto crucial da nossa fé em Cristo, ou seja, sobre a maneira pela qual a salvação alcançada por ele chega a nós hoje Continue Lendo →

O Bom Confessor Deve Rezar, Discernir, Evangelizar

Papa – O bom confessor deve rezar, discernir, evangelizar O Papa dirigiu-lhes palavras de apreço em relação àquilo que ele definiu um tipo de Tribunal que lhe agrada realmente, porque é um “Tribunal de Misericórdia”. Afirmou depois que esse curso “contribui para a formação de bons confessores” e por isso considera-o “útil e mesmo necessário para os nossos dias”. No entanto – fez notar – não basta um curso para se tornar bons confessores, pois isso de confissão é uma “longa escola” que dura toda a vida. Mas o que é afinal “um bom confessor”, como se pode tornar num bom confessor? – perguntou Francisco. E respondeu indicando três critérios que passou depois a desenvolver: a oração, o discernimento; e Continue Lendo →

Papa, a Esperança é Fonte de Conforto Recíproco

Audiência: Papa, a esperança é fonte de conforto recíproco Cidade do Vaticano (RV) – A esperança é fonte de conforto recíproco: este foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral desta quarta-feira (08/02), na Sala Paulo VI, no Vaticano. Prosseguindo com a leitura da Primeira Carta de Paulo aos Tessalonicenses, o Pontífice destacou que “a esperança cristã não tem somente um respiro pessoal, individual, mas comunitário, eclesial”. “Não se aprende, sozinho, a esperar. Não é possível. A esperança, para se alimentar, precisa de um corpo, em que os vários membros se apoiam e se animam reciprocamente. Isto significa que esperamos, porque muitos irmãos e irmãs nos ensinaram a esperar e mantiveram viva a nossa esperança. Dentre eles Continue Lendo →

É para o Altar que Converge o Nosso Olhar

É PARA O ALTAR QUE CONVERGE O NOSSO OLHAR   Por Dom Bruno Carneiro Lira, OSB Vigário Paroquial da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima de Boa Viagem             A santa Missa, centro da vida de cristã católica, tem como centro o altar, que é o próprio Cristo a pedra angular de Igreja. Para ele converge o nosso e olhar e reverência, pois é lá que se oferece do nascer ao pôr do sol, o Sacrifício Pascal de Cristo.           Os primeiros cristãos celebravam a Eucaristia em cima dos túmulos dos mártires, nas catacumbas, devido a perseguição à Igreja empreendida pelos imperadores romanos. Eles aprenderam a valorizar o culto divino devotado ao Deus de Abrãao, de Isaac e Jacó e, Continue Lendo →