“Descartar a Comida é Descartar as Pessoas”, Afirma o Papa Francisco

“Descartar a comida é descartar as pessoas”, afirma o Papa Francisco

Em seu discurso aos membros e voluntários da Federação Europeia dos Bancos de Alimentos, o Papa expressou sua gratidão pelo seu trabalho de “dar de comer a quem tem fome”. – Manoel Tavares – Cidade do Vaticano

O Santo Padre recebeu na manhã deste sábado (18/5), no Vaticano, 200 membros da Federação Europeia dos Bancos de Alimentos, que se reuniram em Roma por ocasião dos 30 anos de sua fundação na Itália.

Estes Bancos são organizações ou entidades reconhecidas oficialmente, sem fins lucrativos, baseadas no voluntariado, que têm o objetivo de arrecadar doações de alimentos ou sobras de comidas para serem distribuídas aos mais necessitados. No Brasil, o Banco de Alimentos foi fundado em 1988.

É fácil falar, mas é difícil fazer

Em seu discurso aos membros e voluntários da Federação, o Papa expressou sua gratidão pelo seu trabalho de “dar de comer a quem tem fome”. Não se trata de assistencialismo, mas um gesto concreto e silencioso de solidariedade e caridade com os mais necessitados. E, reafirmando o ditado “é fácil falar, mas é difícil fazer”, Francisco disse:

“ Vocês se colocam em jogo, não com palavras, mas com fatos, combatendo o desperdício de comida e coletando suas sobras para serem distribuídas aos indigentes. Lutar contra a terrível chaga da fome é também combater o desperdício. Coletar para distribuir, não produzir para desperdiçar. Descartar a comida é descartar as pessoas. ”

No mundo complexo de hoje, frisou o Papa, é importante que “o bem seja bem feito”; não deve ser fruto de um mero assistencialismo, que não contribui para o desenvolvimento. E referindo-se aos componentes dos Bancos de Alimentos, Francisco disse:

“É belo ver pessoas de várias línguas, crenças, tradições e orientações diferentes que se encontram para compartilhar e promover a dignidade dos outros. Não se trata de uma busca de lucros pessoais, mas do futuro e do progresso dos últimos da sociedade”.

Economia mundial frenética

Aqui, o Pontífice expressou sua preocupação com a economia mundial frenética. “Precisamos – disse – de uma economia mais humana, que tenha alma e não espezinhe os mais frágeis, desprovidos de trabalho, de dignidade e de esperança; muitos são oprimidos pelos ritmos produtivos desumanos, que reduzem as relações pessoais e afetam a vida familiar”. E o Papa recordou:

“ A economia, que nasceu para cuidar da Casa Comum, perdeu sua personalidade: ao invés de servir ao homem, o escraviza por meio de mecanismos financeiros. Como podemos viver bem se as pessoas são reduzidas a números? ”

Diante de um contexto econômico doentio, – ponderou o Papa – “não se deve intervir, de modo brutal, para não correr o risco até de matar”. É preciso empreender caminhos saudáveis e solidários, mediante modelos de vida baseados na equidade social, na dignidade das pessoas, das famílias, do futuro dos jovens, do respeito pelo meio ambiente. E Francisco concluiu:

“Uma economia circular não pode ser mais adiada. O desperdício não pode ser a última palavra, deixada em herança pelos poucos ricos, enquanto a maior parte da humanidade se cala. Por isso, renovo-lhes minha gratidão e os encorajo a continuar a envolver, sobretudo os jovens, para que possam se unir a vocês na promoção do bem em benefício de todos”.

Click no áudio e escute a transmissão desta notícia feita pela Rádio Vaticano em língua portuguesa.

Fonte: www.news.va (Official Vatican Network)