Família: Acolher Pessoas e não Dar Receitas

Família: acolher pessoas e não dar receitas

As Jornadas de Teologia da Universidade Católica no Porto, em Portugal, refletiram sobre o tema “O Evangelho da Família em tempos de mudança”. – Rui Saraiva – Porto

Decorreu de 4 a 7 de fevereiro na Universidade Católica no Porto, em Portugal, mais uma edição das Jornadas de Teologia. Desta vez o tema proposto foi “O Evangelho da Família em Tempos de Mudança”, com um programa diversificado de comunicações que permitiu uma abordagem larga e abrangente deste assunto.

Pastoral para pessoas e não para o rebanho

Em entrevista o padre Abel Canavarro, diretor adjunto da Faculdade de Teologia da Universidade Católica, assinalou a importância das comunidades para o acolhimento dos casais e das famílias.

“Uma pastoral personalizada que saiba acolher as pessoas e integra-las” – realçou o padre Abel Canavarro tendo declarado a necessidade de ser feito um trabalho de “mentalização das comunidades” para a gradualidade do acolhimento das famílias. Apontou a necessidade de ser feita “uma pastoral de pessoas e não uma pastoral para o rebanho”.

Por uma pastoral da escuta

A propósito da formação dos seminaristas o diretor-adjunto da Faculdade de Teologia afirmou ser importante preparar os novos presbíteros para “acolher pessoas e não dar receitas”, tendo assinalado métodos como o “diálogo pastoral” e o “discernimento”.

“Nós insistimos nesta vertente seja ao nível da formação no seminário, seja ao nível do 6ºano do Curso de Teologia onde são tocados estes aspetos, inclusive a questão do diálogo pastoral e do discernimento. Estamos a fazer um esforço para desenvolvermos uma mentalidade nos novos padres de acolher pessoas e não tanto de dar receitas. Acolher pessoas. E sobretudo para nós padres e para os padres que estamos a formar é importante desenvolver aquilo que eu costume chamar de pastoral da escuta. Porque às vezes nós sabemos dar receitas mas não sabemos escutar” – declarou o padre Abel Canavarro.

Mais realidade familiar na formação dos sacerdotes

Uma das comunicações apresentadas nestas Jornadas de Teologia na Universidade Católica no Porto esteve a cargo do Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar. O diretor deste Secretariado, Ângelo Soares, em entrevista, informou que, na sua intervenção, tomaram parte os “CPM (Centros de Preparação para o Matrimónio) para falarem da pastoral do anúncio; as “Equipas de Nossa Senhora para falarem da consolidação do matrimónio” e ainda uma “experiência paroquial” de “acolhimento e integração de situações ditas irregulares”.

Uma comunicação que incluiu uma leitura sobre as “necessidades de mudança” referindo o documento programático deste Secretariado assumido pelo bispo do Porto: “Anunciar o Evangelho da Família é a nossa Missão”.

O diretor do Secretariado da Pastoral Familiar da diocese do Porto considera que os sacerdotes poderiam aproveitar melhor “o potencial que uma família pode ter como agente de evangelização”. Considera que seria importante que a “realidade familiar fosse mais presente na formação dos sacerdotes”.

“Ainda não vi muitos sinais de que a questão da realidade familiar fosse uma coisa mais presente na formação dos sacerdotes. Ou porque não estou a ver bem ou porque não existe mesmo. E gostava de ver mais. Gostava de ver uma formação dos sacerdotes com mais preocupações sobre a necessidade de se integrarem em família e de conhecerem melhor as realidades familiares, de conviverem mais com famílias e de aproveitarem melhor o potencial que uma família pode ter como agente de evangelização” – afirmou.

Nestas Jornadas de Teologia destaque para a variedade de temas que foram desenvolvidos, tais como, a família na realidade fiscal portuguesa, a valorização das crianças, a Igreja como família de famílias, o Evangelho da Família no Novo Testamento, as situações familiares irregulares e a ideologia do género.

Click no áudio e escute a transmissão desta notícia feita pela Rádio Vaticano em língua portuguesa.

Fonte: www.news.va (Official Vatican Network)