Santos da Igreja Católica – 13 de Agosto

Bem-Aventurada Dulce dos PobresBem-aventurada Dulce dos Pobres

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes nasceu no dia 26 de maio de 1914, na Bahia, Brasil. Era a segunda filha do casal, Augusto Lopes Pontes, e Dulce Souza Brito, que já tinha quatro outros filhos. Sua mãe morreu aos vinte e seis anos, quando ela tinha apenas seis anos de idade, porém, teve uma infância feliz, com os irmãos e os parentes, que procuravam compensar a grande perda. Certo dia, a menina foi com uma tia materna visitar os pobres de um convento. Foi diante de tanta privação e sofrimento que a pequena decidiu: "Quero ser freira e dedicar minha vida aos pobres". E isso ela nunca esqueceu.
Maria Rita se desenvolveu pouco fisicamente, tornou-se uma mulher pequenina e de aparência muito frágil. Mas aos dezenove anos, após diplomar-se professora, ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, em Sergipe e, aos vinte anos, fez sua profissão religiosa, assumindo o nome de Irmã Dulce, em homenagem à mãe.
Determinada a atender os mais carentes, voltou à Bahia em 1934, iniciando um trabalho de assistência à comunidade pobre de Alagados e Itapagipe. Nesse mesmo ano funda a União Operária São Francisco, primeiro movimento cristão operário de Salvador. A imprensa começa a chamá-la de Irmã Dulce dos Pobres, o anjo dos Alagados. Em 1937, fundou o Círculo Operário da Bahia.
Decidida a acolher os doentes que a procuravam, Irmã Dulce os abrigava em casas abandonadas e, em seguida, saía em busca de alimentos, remédios, assistência médica e ajuda financeira dos comerciantes e pessoas amigas. Seu lema era: "Amar e servir o mais necessitado entre os necessitados, como se acolhesse
o próprio Cristo".
E, sob esse escudo, Irmã Dulce iniciou seu trabalho assistencial num albergue improvisado em 1946, no galinheiro do convento das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, para acolher setenta doentes que ela havia recolhido nas ruas de Salvador. Atualmente, a Associação Obras Sociais Irmã Dulce é a maior ONG de saúde no Norte e Nordeste e a nona do Brasil, atendendo, em seus onze núcleos, mais de um milhão de carentes por ano, um trabalho inteiramente gratuito. Nessas Obras Sociais estão portadores de deficiências, idosos, crianças, adolescentes, mendigos, alcoólicos, toxicômanos e todos os que vivem à margem da sociedade.
Para construir sua obra, Irmã Dulce contou com o apoio do povo baiano, de brasileiros dos diversos estados e de personalidades internacionais. No dia 7 de julho de 1980, Irmã Dulce ouviu do Papa João Paulo II, na sua primeira visita ao país, o incentivo para prosseguir com a sua obra. Quatro anos depois fundou a Associação Filhas de Maria Servas dos Pobres. E em 1988, foi indicada para o Prêmio Nobel da Paz.
Em 20 de outubro de 1991, na segunda visita ao Brasil, o Papa João Paulo II fez questão de visitar Irmã Dulce, já bastante debilitada no seu leito de enferma, no Convento Santo Antônio. Aos 13 de março de 1992, Irmã Dulce faleceu, com setenta e sete anos de idade. A fragilidade dos últimos trinta anos da sua vida, com a saúde abalada seriamente, tinha setenta por cento da capacidade respiratória comprometida, não impediu que ela construísse e mantivesse uma das maiores e respeitadas instituições filantrópicas do país.
Por esse exemplo de vida, a Igreja Católica abriu o processo para a beatificação de Irmã Dulce, em 2000. No final da fase diocesana, após um ano e meio, o Papa João Paulo II a distinguiu como Serva de Deus. E quando se der sua beatificação, sem dúvida será celebrada uma vida inteira de testemunho de que a fé e o amor são capazes de superar as piores dificuldades.
O Memorial Irmã Dulce guarda hoje cerca de dois mil relatos documentados de graças alcançadas por baianos, pessoas de outros Estados e até de outros países, concedidas por intercessão de Irmã Dulce, que atestam a sua fama de santidade ainda em vida e as virtudes heróicas do "Anjo Bom da Bahia", como a freira, já no final da vida, era reconhecida.
"Quando nenhum hospital quiser aceitar algum paciente, nós aceitaremos. Essa é a última porta e por isso eu não posso fechá-la." Irmã Dulce.
O processo de beatificação teve início em 2000, passando por várias etapas, em 22 de maio de 2011, Irmã Dulce será proclamada Beata.
"Se fosse preciso, começaria tudo outra vez do mesmo jeito, andando pelo mesmo caminho de dificuldades, pois a fé, que nunca me abandona, me daria forças para ir sempre em frente" Irmã Dulce.
O decreto de beatificação de Irmã Dulce foi assinado pelo papa Bento XVI no dia 10 de dezembro de 2010, após reconhecimento de um milagre da freira. Ela é a primeira baiana a se tornar beata
A bem-aventurada Dulce dos Pobres terá sua data no calendário litúrgico no dia 13 de agosto.

São Ponciano e Santo HipólitoSão Ponciano e Santo Hipólito

Para o mundo profano este dia representa um instante negativo, mas os cristãos sabem que não é verdade. Tanto que este dia lembra um momento histórico muito positivo para o cristianismo, protagonizado pelo gesto humilde e solidário de Ponciano e Hipólito, papa e sacerdote, que viveram em Roma no século III.
Tudo começou sob o governo do imperador Alexandre Severo, que, condescendente, aceitou a diversidade religiosa, não perseguiu os cristãos e permitiu que a Igreja se reorganizasse. Durante essa trégua externa, a batalha foi travada internamente, no meio do clero católico, ocasionando a primeira ruptura na Igreja de Roma, que contrapôs ao legítimo pontífice um antipapa, no caso o próprio Hipólito.
Hipólito era um sacerdote culto, austero, pouco tolerante e indulgente, sempre enxergando, ou mesmo temendo, que cada reforma pudesse violar a verdadeira doutrina cristã. Por esse extremado cuidado acusou de heresia o papa são Zeferino e o diácono Calisto. Seu ímpeto de guardião culminou quando este último foi eleito papa em 217. Hipólito rebelou-se e acabou sendo indevidamente eleito papa pelos bispos seus partidários.
Esse cisma manteve-se na Igreja até mesmo nos pontificados de Ubaldo I e Ponciano, que foi eleito em 230. Na ocasião, morrera em combate o imperador Alexandre Severo, sendo sucedido por Maximino, tirano que retomou a perseguição aos cristãos. E começou de forma singular: deparando-se com a existência de dois papas, deportou ambos, condenando-os a trabalhos forçados numa mina de pedras da Sardenha.
Ponciano foi o primeiro papa a ser deportado. Era um fato novo para a Igreja, que ele administrou com sabedoria, sagacidade e muita humildade. Para que seu rebanho não ficasse sem pastor, renunciou ao trono de Pedro, tornando-se, também, o primeiro papa da Igreja a usar este recurso extremo. Foi sucedido pelo papa Antero, de origem grega, que exerceu a função por apenas quarenta dias.
Todavia seu gesto comoveu Hipólito, que percebeu o sincero zelo apostólico de Ponciano. Por isso também renunciou ao seu posto, interrompendo o prolongado cisma e reconciliando-se com a Igreja de Roma, antes de morrer, em 235, mesmo ano da morte de Ponciano.
O cristianismo só se beneficiou porque Hipólito tornou-se o mais importante filósofo cristão do final do século III. As suas obras mais conhecidas são "Teorias filosóficas", o "Livro de Daniel" e "A tradição apostólica", que aborda temas importantes, como rito, disciplina e costumes cristãos da época. Papa Ponciano, por sua vez, instituiu o canto dos salmos, a reza do "confiteor Deo" antes de morrer e o uso do "Dominus vobiscum". E, o fundamental: pôs fim à heresia de Hipólito.
Os corpos desses dois mártires foram trasladados para Roma no dia 13 de agosto de 354, onde, com grande honra, foram sepultados. Santo Hipólito no cemitério da via Tiburtina e o papa são Ponciano nas catacumbas de são Calisto. A festa litúrgica foi mantida neste dia para a veneração de ambos.

São João BerchmansSão João Berchmans

João nasceu em 12 de março 1599, em Diest, uma pequena cidade localizada no Flandre, Bélgica. O modesto curtidor de peles e sapateiro Carlos Berchmans era seu pai. A sua mãe era Isabel, uma das filhas do líder daquele povoado. O casal, muito católico, esmerou-se na criação não só de João, mas também dos outros quatro filhos.
Filho amoroso, irmão amável e companheiro caridoso, amava os estudos demonstrando muita sabedoria e inteligência desde a infância. Em 1609, sua mãe foi acometida de uma incurável e lenta doença. Seu pai enviou João, com os irmãos, para o internato dos padres premostratenses, onde a sua imensa capacidade para o aprendizado, principalmente de idiomas, aflorou. E, extremado devoto de Jesus e da Virgem Maria, ali decidiu que seria um sacerdote, iniciando seus estudos eclesiásticos.
Em 1612, quase teve de abandonar tudo para aprender uma profissão, pois seu pai, por problemas financeiros, não poderia mais pagar-lhe os estudos. Mas com a ajuda inicial de alguns familiares, que sabiam do seu grande potencial, João ficou. Entretanto ele também se mobilizou para estudar na Escola Grande de Malines: conseguiu ingressar na casa do cônego superior-geral, onde trabalhava como seu camareiro e instrutor de alguns jovens da nobreza, dos quais esse cônego era o orientador espiritual.
Depois, ainda em Malines, foi estudar retórica no Colégio dos Jesuítas, em 1615. Na ocasião, lendo a biografia de são Luiz Gonzaga, percebeu que Deus queria que ele abraçasse o carisma da Companhia de Jesus no seu sacerdócio. Dedicou-se ao extremo nos estudos, avançando cada vez mais na vida espiritual, pela caridade, oração e penitência, ingressando na Congregação Mariana. Seus mestres diziam-se impressionados, pois não havia melhor exemplo do que ele.
As notícias que chegavam da Inglaterra, sobre a perseguição contra os jesuítas, não o desanimaram, completando o noviciado em 1618. No ano seguinte, foi para Roma, onde estudou filosofia e teologia, e lá se destacou como um religioso com "odor de santidade". O que João mais almejava na vida era poder viver na companhia de Jesus, para ingressar na glória de Cristo na vida eterna. Para isto, viveu sem nunca ter transgredido um só de seus ensinamentos. O jovem João foi acometido de grave e repentina febre que o levou à morte em apenas seis dias, no dia 13 de agosto de 1621, em Roma. O seu corpo repousa na igreja de Santo Inácio de Loyola, em Roma, Itália. Mas a relíquia do seu coração é venerada na igreja dos Jesuítas em Louvin, Bélgica.
Embora algumas localidades o celebrem em 26 de novembro, a sua festa foi determinada, pelo papa Leão XIII, quando o canonizou, em 1888, para ocorrer dia de sua morte. São João Berchmans foi declarado "Padroeiro da Juventude Estudantil" por seu modelo de vida no seguimento de Cristo, por sua incondicional devoção a Nossa Senhora e pelo amor que dedicou aos estudos.

Jacob Gapp (Bem-Aventurado)Jacob Gapp

Jacob Gapp nasceu em Wattens, na região do Tirol, na Áustria, em 26 de julho de 1897. Foi voluntário na Primeira Guerra Mundial, transcorrida de 1914 a 1918, caindo prisioneiro das tropas italianas ao final do conflito. No ano seguinte, estando em liberdade, voltou a ser voluntário, mas dessa vez numa congregação religiosa: a Sociedade de Maria.
Essa Ordem, fundada pelo francês padre Guilherme Chaminade, tinha por objetivo a educação da juventude e espalhou-se por vários países, inclusive a Áustria. Os integrantes eram chamados marianistas, que depois tornaram-se conhecidos em todo o mundo e o seu fundador foi canonizado pela Igreja.
Jacob iniciou o seu noviciado em 1920 e foi estudar na França e na Suíça. Dez anos depois, já sacerdote consagrado, voltou para sua terra natal. Em 1933, Adolf Hitler chegou ao poder na Alemanha, instaurando um Estado totalitário, inspirado na superioridade da "raça ariana". O seu violento expansionismo acabou atingindo a Áustria, em 1938, onde a população, amedrontada e ameaçada, passou a denunciar e entregar todos os judeus e antinazistas, numa tentativa desesperada de evitar a represália do cruel exército alemão.
Jacob Gapp era um desses antinazistas convictos e poderia ser preso a qualquer momento. Mas isso não o intimidava. Tinha uma radical aversão à visão racista, também condenada pelo papa Pio XI por meio da famosa encíclica "Mit Brennender Sorge" de 1937. Jacob pregava, abertamente, que o cristianismo e o nazismo eram incompatíveis, não havendo a menor possibilidade de entendimento entre os dois.
Perseguido pela Gestapo, a agência de espionagem nazista, Jacob fugiu da Áustria, passando pela França e fixando-se na Espanha, em uma comunidade marianista de Valência. Porém os implacáveis espiões nazistas perseguiram-no até lá, sendo preso e deportado para Berlim.
Na capital alemã, Jacob enfrentou sete longos meses de cárcere. Mas seu julgamento, que não durou mais de duas horas, culminou com sua condenação à morte. Em 13 de agosto de 1943, na penitenciária de Ploetzansee, Jacob Gapp foi decapitado.
Poucas horas antes da execução, escreveu cartas animadoras a seus familiares e superiores: "Considero este dia como o mais belo de minha vida. Atravessei duras provas, mas agora estou feliz". O papa João Paulo II proclamou bem-aventurado Jacob Gapp em 1996, designando o dia de sua morte para o seu culto.
 

Marco d'Aviano (Bem-Aventurado)Marco d'Aviano

Nasceu em Aviano, província de Perdemone, norte da Itália, em 17 de novembro de 1631, no seio de uma família digna e distinta. Foi batizado no dia do nascimento com o nome de Carlo Domenico Cristofori.
Junto com os dez irmãos, recebeu, na sua terra natal, uma boa formação cultural e espiritual, depois aperfeiçoada no Colégio dos Jesuítas da província de Gorizia. Lá aprofundou a sua cultura clássica e científica, enquanto intensificava a sua vida de piedade participando das congregações marianas.
A sua vida modificou-se quando, arrebatado pelo clima da guerra de Cândia, entre a República de Veneza e o Império Otomano, ele decidiu dar a sua vida em defesa da fé cristã, indo lutar contra o exército muçulmano. Mas, depois de dois dias, cansado e faminto, bateu à porta do Mosteiro capuchinho de Capodistria, onde recebeu o conselho de voltar à casa paterna.
Foi nessa curta convivência com os capuchinhos que ouviu o chamado de Deus e decidiu abraçar a vida austera franciscana. Em 1648, entrou no noviciado de Conegliano e , no ano seguinte, emitiu os votos religiosos com o nome de Marco d'Aviano. Depois dos estudos de filosofia e teologia, em 1655 foi ordenado sacerdote em Chioggia, onde viveu num forte compromisso de oração e de vida comum, na humildade e obscuridade. A partir de 1664, passou a dedicar-se ao apostolado da Palavra e ficou conhecido em toda a Itália, principalmente pelos sermões nos tempos do Advento e da Quaresma. Também desempenhou cargos de governo: em 1672, foi superior do Convento de Belluno e, em 1674, foi diretor da Fraternidade de Oderzo.
A sua vida modificou-se, de novo, quando foi enviado a pregar no Mosteiro de São Prosdócimo, em Pádua. Lá, por sua oração e bênção, curou uma religiosa que estava paralisada havia treze anos. Outras curas parecidas passaram a ocorrer. Assim, a sua fama de santidade, associada à do extraordinário carisma de pregação, fez crescer a sua popularidade, tanto que ele passou a ser solicitado pelos bispos de várias nações européias.
Enchia igrejas e milhares de pessoas reuniam-se nas praças de Anvers, Augsburgo, Colônia, Mogúncia, Worms, Salzburgo para escutar a sua pregação, o seu chamado à conversão e à penitência. Apesar de ser um tempo de forte tensão entre católicos e protestantes, eles também iam escutá-lo e esperavam por sua bênção. Por isso foi considerado o precursor do "ecumenismo espiritual". Depois, o imperador Leopoldo I, de Augsburgo, fê-lo seu conselheiro e confessor, bem como da imperatriz Leonor.
Em 1683, a cidade de Viena estava para cair nas mãos do exército dos turcos muçulmanos porque os comandantes dos exércitos cristãos não se entendiam e dispersavam-se em discussões inúteis e perigosas. Foi então que o papa Inocêncio XI decidiu enviar Marco na desesperada tentativa de uni-los para combater o inimigo comum. A sua intervenção foi tão eficaz que os turcos foram expulsos, Viena foi salva e a paz voltou à Europa. Por iss, na Áustria, na Alemanha e nos países da Europa do Leste, ele é celebrado como herói nacional e a sua figura histórica é estudada nas escolas.
Interrompeu sua atividade apostólica por motivos de saúde. Teve tempo apenas de receber a bênção apostólica do papa, que lhe fora enviada por meio do núncio apostólico. Morreu em 13 de agosto de 1699, apertando nas mãos o crucifixo e assistido pelos imperadores Leopoldo I e Leonor.
Depois do solene funeral, foi sepultado na cripta dos Capuchinhos de Viena, ao lado da tumba dos imperadores. A sua sepultura tornou-se ponto de visitação dos fiéis que agradeciam os milagres alcançados por sua intercessão. O papa João Paulo II beatificou frei Marco d'Aviano em 2003, designando sua veneração litúrgica para o dia de sua morte.