Santos do Dia da Igreja Católica – 04 de Janeiro

Santa Ângela de FolignoSanta Ângela de Foligno

A história de Santa Ângela, considerada uma das primeiras místicas italianas, poderia ser o roteiro de um romance ou novela, com final feliz, é claro. Transformou-se de mulher fútil e despreocupada em mística e devota, depois literata, teóloga e, finalmente, santa. A data mais aceita para o nascimento de Ângela, em Foligno, perto de Assis e de Roma, é o ano 1248. Ela pertencia à uma família relativamente rica e bem situada socialmente. Ainda muito jovem casou-se com um nobre e passou a levar uma vida ainda mais confortável, voltada para as vaidades, festas e recreações mundanas. Assim viveu até os trinta e sete anos, quando uma tragédia avassaladora mudou sua vida.
Num curto espaço de tempo perdeu os pais, o marido e todos os numerosos filhos, um a um. Mas, ao invés de esmorecer, uma mulher forte e confiante nasceu daquela seqüência de mortes e sofrimento, cheia de fé em Deus e no seu conforto espiritual. Como conseqüência, em 1291 fez os votos religiosos, doando todos os seus bens para os pobres e entrando para a Ordem Terceira de São Francisco, trocando a futilidade por penitências e orações. O dom místico começou a se manifestar quando Santa Ângela recebeu em sonho a orientação de São Francisco para que fizesse uma peregrinação a Assis. Ela obedeceu, e a partir daí as manifestações não pararam mais.
Contam seus escritos que ela chegava a sentir todo o flagelo da paixão de Cristo, nos ossos e juntas do próprio corpo. Todas essas manifestações, acompanhadas e testemunhadas por seu diretor espiritual, Santo Arnaldo de Foligno, foram registradas em narrações que ela escrevia em dialeto úmbrio e que eram transcritas imediatamente para o latim ensinado nas escolas, para que pudessem ser aproveitados imediatamente por toda a cristandade. Trinta e cinco dessas passagens foram editadas com o título "Experiências espirituais, revelações e consolações da Bem-Aventurada Ângela de Foligno", livro que passou a ser básico para a formação de religiosos e trouxe para a Santa o título de "Mestra dos Teólogos". Muitos dos quais a comparam como Santa Tereza d'Ávila e Santa Catarina de Sena.
Ângela terminou seus dias orientando espiritualmente, através de cartas, centenas de pessoas que pediam seus conselhos. Ao Santo Arnaldo, à quem ditou sua autobiografia, disse o seguinte: "Eu, Ângela de Foligno, tive que atravessar muitas etapas no caminho da penitencia e conversão. A primeira foi me convencer de como o pecado é grave e danoso. A segunda foi sentir arrependimento e vergonha por ter ofendido a bondade de Deus. A terceira me confessar de todos os meus pecados. A quarta me convencer da grande misericórdia que Deus tem para com os pecadores que desejam ser perdoados. A quinta adquirir um grande amor e reconhecimento por tudo o que Cristo sofreu por todos nós. A sexta sentir um profundo amor por Jesus Eucarístico. A sétima aprender a orar, especialmente rezar com amor e atenção o Pai Nosso. A oitava procurar e tratar de viver em contínua e afetuosa comunhão com Deus". Na Santa Missa, ela muitas vezes via Jesus Cristo na Santa Hóstia. Morreu, em 04 de janeiro 1309, já sexagenária, sendo enterrada na Igreja de São Francisco, em Foligno, Itália.
Seu túmulo foi cenário de muitos prodígios e graças. Assim, a atribuição de sua santidade aconteceu naturalmente, àquela que os devotos consideram como a padroeira das viúvas e protetora da morte prematura das crianças. Foi o Papa Clemente XI que reconheceu seu culto, em 1707. Porém ela já tinha sido descrita como Santa por vários outros pontífices, à exemplo de Paulo III em 1547 e Inocente XII em 1693. Mais recentemente o Papa Pio XI a mencionou também como Santa em uma carta datada de 1927.
 

Santa Elisabete Ana Baylei SetonSanta Elisabete Ana Baylei Seton

Elisabete Ana Bayley nasceu em Nova Iorque, onde cresceu e constituiu família dentro do protestantismo anticatólico dos Estados Unidos, no final do século dezoito. Catarina sua mãe, era filha de pastor anglicano e Ricardo seu pai, era um médico famoso e muito bem conceituado na comunidade. A menina veio ao mundo no dia 28 de agosto de 1774.
A infância de Elisabete foi muito infeliz, perdeu a mãe aos três anos de idade e sua madrasta a maltratou por anos e anos. Ela cresceu solitária pois, seu pai só pensava em seus compromissos profissionais, dando-lhe pouca atenção. Seu consolo era a Bíblia, que lia muito e sobre cujos ensinamentos meditava achando a paz. Enfim, aos dezenove anos casou-se com Guilherme Selton, um rico comerciante nova-iorquino e teve cinco filhos.
Mas uma grave tuberculose que acometeu o marido mudou sua vida. A família se transferiu para a Itália, onde ele esperava encontrar a cura. Lá ficaram hospedados na casa de uma família italiana, a dos amigos Felicchi. A cura do marido não veio e ele acabou falecendo. Entretanto, durante o tempo em que ficou naquela residência e país, Elisabete conheceu o catolicismo e se converteu. Era o ano 1805.
Ao voltar para a pátria, viúva e com os filhos para criar, seu calvário só aumentou. Contou sobre sua conversão à família, sendo então desprezada e depois abandonada. O mesmo o fez a sua comunidade. Elisabete, então com vinte e nove anos, passou inúmeras dificuldades materiais, sentindo na pele a marginalização a que era relegada a minoria católica. Até seus filhos deixaram de ter acesso à escola.
Elisabete, seguindo a orientação do Arcebispo de Baltimore e unindo-se a uma amiga de fé, Cecília da Filadélfia, criou em 1808, apesar de toda a oposição já citada, a primeira escola paroquial nos Estados Unidos. Esta escola de Baltimore é considerada um marco que muito contribuiria nos anos seguintes para a expansão da Igreja Católica naquele país.
Em junho de 1809, sempre sob a orientação do Arcebispo, ela fundou uma nova instituição religiosa feminina totalmente norte americana, a Ordem das Irmãs de Caridade de São José, para a qual doou todos os seus bens. A instituição, com a finalidade de proporcionar: educação cristã e cura de doentes, progrediu rapidamente. Assim, em 1812 obteve aprovação canônica para seguir as regras de São Vicente de Paulo. Atualmente a Ordem continuam cumprindo com suas funções em todo o território dos Estados Unidos e alguns países da América Latina, contando com milhares de integrantes.
Ainda jovem, aos quarenta e sete anos de idade, Elisabete Ana Bayley Selton morreu no convento de Maryland no dia 4 de janeiro de 1821. Ela foi a primeira cidadã norte americana a ser beatificada, em 1963, pelo Papa João XXIII. Depois, foi canonizada pelo Papa Paulo VI, em 1975, não por acaso no Ano Internacional da Mulher.
 

Manuel Gonzáles Garcia (Bem-Aventurado)Manuel Gonzáles Garcia

Manuel Gonzáles Garcia nasceu em Sevilha, na Espanha no dia 25 de fevereiro de 1877.A família era humilde e profundamente religiosa. O seu pai Martim era carpinteiro e a sua mãe Antonia era dona de casa. O casal teve cinco filhos, ele foi o segundo.
Neste ambiente sereno, Manuel cresceu, nutrindo no coração o desejo de fazer parte, na catedral de Sevilha, do grupo de meninos do côro que cantavam nas solenidades do "Corpus Christi" e da Imaculada. Já nessa época se consolidou o seu amor pela Eucaristia e por Maria.
Através da vivência cristã e o bom exemplo da família e de vários sacerdotes, descobriu a sua verdadeira vocação. Assim, sem avisar os seus pais, fez os exames de ingresso no seminário. Eles aceitaram a vontade do filho e os desígnios de Deus. Consciente da situação econômica da sua família, Manuel pagou os estudos do seminário trabalhando como servidor e também auxiliou sua irmã, Maria Antonia que se tornou religiosa.
Finalmente, em 1901, recebeu a ordenação sacerdotal das mãos do cardeal Marcelo Espinola, um beato da Igreja. Um ano depois, padre Manuel foi enviado numa missão para pregar em Palomares do Rio, onde permaneceu durante toda a sua vida sacerdotal.
Foi dentro da simplicidade do Evangelho que desenvolveu todo seu trabalho missionário. Criou a "Obra dos Sacrários-Calvários", uma resposta de amor reparador ao amor de Cristo na Eucaristia, como ele mesmo definiu sua obra. O início foi a União Eucaristia Reparadora, formada pelos ramos masculino e feminino de leigos , culminando com a Reparação Infantil Eucarística e a criação da revista "O grão de areia", para a divulgação destas associações. Após quinze anos, em reconhecimento da sua capacidade e laureando sua atuação missionária, foi consagrado bispo de Málaga.
Com a aprovação da Santa Sé, em 1918 fundou a instituição dos padres Missionários Eucarísticos e três anos depois a congregação religiosa das Missionárias Eucarísticas de Nazaré. Em 1932, colaborou com a irmã no sangue e na fé, Maria Antonia, para a criação das instituições das Missionárias Auxiliares Nazarenas e a Juventude Eucarística.
Depois, durante a guerra espanhola foi nomeado bispo de Palência, para onde foi transferido em 1935. Nesta diocese, Manuel passou os últimos anos do seu ministério sacerdotal, escrevendo também inúmeras obras de conteúdo religioso e espiritual. Depois de um longo período de enfermidade, serenamente morreu no dia 4 de Janeiro de 1940.
O Papa João Paulo II o proclamou "Apóstolo da Eucaristia" na celebração solene de sua beatificação em 1998. Santo Manuel Gonzáles Garcia foi enterrado na Catedral de Palência e sua festa litúrgica marcada para o dia de sua morte.